Conheça mais sobre dureza Rockwell

ensaio de dureza rockewell

Atualmente existem diversos métodos de medição de dureza de materiais, mas nesse texto queremos explicar um pouco mais sobre a dureza Rockwell.

O ensaio de dureza Rockwell (HR) foi criada em 1922, por Rockwell, que utilizava um sistema de pré-carga. Este método de ensaio apresenta algumas vantagens em relação ensaio de dureza Brinell, pois permite avaliar a dureza de metais diversos, desde os mais moles até os mais duros.

O ensaio de dureza Rockwell é hoje o processo mais utilizado no mundo inteiro, devido a sua rapidez e facilidade de execução, além de não sofrer interferências por erro humano e pela facilidade em detectar pequenas diferenças de durezas em pequenos tamanhos de impressão.

 

No ensaio de dureza Rockwell a carga é aplicada em etapas, ou seja, primeiro se aplica uma pré-carga, garantindo um contato firme entre o penetrador e o material a ser analisado e somente depois é feita a aplicação da carga do ensaio propriamente dita. O grau de dureza é apresentado num mostrador acoplado à máquina de ensaio, de acordo com a escala pré-determinada e adequada à faixa de dureza do material.

Os penetradores utilizados na máquina de ensaio de dureza Rockwell são do tipo esférico (de aço temperado) ou cônico (diamante com 120º de conicidade).

pentradores ensaio de dureza rockwell

O ensaio de dureza Rockwell pode ser realizado em dois tipos de máquinas:

- A máquina padrão mede a dureza Rockwell normal e é indicada para realizar avaliação de dureza em geral. Nessa máquina cada divisão da escala equivale a 0,02 mm.

- A máquina mais precisa mede a dureza Rockwell superficial e é indicada para avaliar a dureza em folhas finas, lâminas ou camadas superficiais de materiais. Nessa máquina cada divisão equivale a 0,01 mm.

 

Veja mais: Conheça o Centro de Pesquisa e Tecnologia da Rijeza e marque hoje mesmo seu ensaio de resistência aos mais variados mecanismos de desgaste.

 

Entender a dureza Rockwell geral e a dureza Rockwell superficial de um metal é fundamental para definir os as melhores aplicações de revestimentos contra desgastesMas a dureza não é a única medida a ser avaliada para se definir o melhor material. Variáveis como rugosidade da peça, presença de lubrificantes, temperatura de trabalho, carga de trabalho, ph de fluídos que possam estar em contato com a peça entre outras, também impcatam no nível de desgaste e consequente influenciam diretamente na decisão de escolha do melhor material a ser utilizado (para melhor entendimento, conheça o conceito de Tribologia)

 

Para facilitar o processo de especificação, disponibilizamos um gráfico relacionando a dureza de materiais com suas respectivas resistências à abrasão, além de uma tabela de conversão de durezas Brineel, Rockell e Vickers. Baixe aqui o material em pdf.