Custos de Produção e sua relação com a Gestão da Manutenção

Custos de Produção

Os custos de produção estão relacionados com o valor que a empresa gasta para produzir determinada quantidade de produto num dado período de tempo. Eles são determinantes para a competitividade da indústria brasileira, especialmente no atual momento econômico, em que empresas estrangeiras comercializam seus produtos no nosso mercado com preços bastante competitivos. Foi -se o tempo que o preço era elaborado pelo somatório dos custos de produção com a lucratividade pretendida pelo empresário.

Os custos de produção podem ser divididos de acordo com diversos critérios. Para facilitar o entendimento, vamos utilizar o critério do custo direto e indireto.

Os custos diretos são compostos por todos aqueles custos facilmente identificáveis no produto final, como a quantidade de  material utilizada, quantidade de horas necessárias para produção, 

Já os custos indiretos não são tão fáceis de serem mensurados, e nesse caso o rateio pode ser um critério a ser utilizado para a composição dos custos de produção. Um exemplo do custo indireto de fabricação pode ser o custo de uma auditoria, descarte de resíduos, etc.

Mas qual a relação dos custos de produção com a gestão da manutenção?

A gestão da manutenção é a responsável por manter a planta em operação, com o menor investimento possível pra atingir esse objetivo.

 

Leia também: Gestão da Manutenção - Resultados Esperados

 

O principal indicador de desempenho na gestão da manutenção é o indicador de OEE. E ele é medido de acordo com 3 critérios:

1 - Disponibilidade dos equipamentos para produzir

2 - Performance dos equipamentos de produção

3 - Qualidade dos produtos produzidos pelos equipamentos 

Ou seja, não adianta o equipamento estar disponível para produção se ele está com peças desgastadas. Nesse caso, o equipamento vai produzir com menor performance e qualidade e pode subir significativamente os custos de produção.

Por outro lado, não adianta projetar um equipamento que produza com performance se as peças possuem baixo MTBF. Poderá até produzir com qualidade, mas a planta vai ter baixa disponibilidade além de custos de substituição que também vai elevar os custos de produção.

Pra elucidar as premissas expostas acima vamos utilizar como exemplo uma ferramenta utilizada para fabricação de tijolos. A empresa fabricante de tijolos fabricava essa ferramenta em aço D6, com dureza de 60 HRC. Com essas características, conseguia produzir aproximadamente 1000 unidades dentro dos padrões de qualidade exigidos. O engenheiro de manutenção de ferramentas desenvolveu a aplicação de um revestimento de carboneto de tungstênio na superfície. O custo inicial da ferramenta era duas vezes maior do que o seu custo de produção anterior. O revestimento de carboneto de tungstênio tem elevadíssima resistência ao desgaste por abrasão e conseguiu garantir uma produção de 12000 unidades do produto. O desenvolvimento gerou aumento do MTBF da ferramenta, aumentou a disponibilidade do equipamento, que continuou produzindo com a mesma performance e com mesmo padrão de qualidade. No que diz respeito a custos de produção, houve uma redução de 70% no custo da ferramenta por unidade produzida.

Poderíamos citar inúmeros exemplos com esse apresentado acima. Ações geradas pela gestão da manutenção para reduzir desgastes de peças podem produzir resultados incríveis em termos de aumento de produtividade e redução dos custos de manutenção.

Nós preparamos um material pra ajudar você a identificar mecanismos de desgastes e sua solução. Uma correta identificação pode reduzir custos de produção em mais de 50%. Baixe aqui o material em PDF.