Revestimentos Por Aspersão Térmica: Por Que Escolhê-los na Solução Contra Desgaste?

Revestimento aplicado por aspersão térmica

Solucionar problemas de desgaste é um dos grandes desafios da gestão da manutenção para melhorar o nível de disponibilidade de plantas industriais.

A história mostra que desde a época do império romano era comum a utilização de revestimentos em materiais metálicos, tanto para função estética quanto para impedir a sua deterioração prematura. Contudo, por que utilizar revestimentos obtidos por Aspersão Térmica pode ser uma excelente alternativa para os profissionais de manutenção?

Dentre as atuais técnicas utilizadas para deposição de revestimentos, os processos pertencentes ao grupo de Aspersão Térmica apresentam inúmeras vantagens não apenas no desempenho do revestimento obtido, como também nos aspectos ambientais envolvidos no processo.

Os revestimentos aplicados por aspersão térmica possuem, em geral:

  • baixa porosidade: sua estrutura lamelar proporciona índices de porosidades inferiores a 1%
  • alta aderência ao substrato: No ensaio de aderência (de acordo com a norma ASTM C633) apresenta nível de aderência superior a 10.000 PSI.
  • Durezas: Podem atingir durezas superiores a 1200 HV300
  • Espessura de camada: Trabalham com espessuras de camada que variam de 0,1 mm e, em alguns casos, podem atingir 5mm

No entanto, se diferem entre si com relação às propriedades específicas, devido a grande quantidade disponível de ligas metálicas e processo de deposição empregado. Esta variação gerar projetos únicos de redução de custos de manutenção para cada solicitação imposta ao componente em serviço.

Quando comparados com revestimentos de cromo duro, por exemplo, o qual demonstra um comportamento não linear quando exposto ao desgaste por abrasão em ensaios de laboratório, os revestimentos aspergidos apresentam uma maior facilidade projeção de troca e/ou manutenção do componente desgastado. Esse fato implica em um menor risco de quebra e de parada não programada do equipamento (manutenção corretiva), cooperando com a melhoria dos resultados da gestão da manutenção.

 

Conheça as grandes diferenças entre Cromo Duro e Carboneto de Tungstênio.

 

De acordo com as características técnicas apresentadas acima e com a experiência já obtida com a utilização desse processo em diversas peças de equipamentos industriais, é possível obter 3 importantes resultados:

1 - Redução do custo de manutenção: A grande quantidade de ligas disponíveis proporciona que o gestor de manutenção faça a seleção daquela que possui capacidade técnica e custo apropriado para a aplicação estudada.

2 - Redução do tempo de parada. O processo de aplicação do revestimento é bastante rápido e permite que uma peça complexa e que não esteja disponível no mercado seja recuperada num pequeno espaço de tempo. 

Veja como uma hidrelétrica conseguiu aumentar a disponibilidade dos seus equipamentos

3 - Redução da nível de manutenção corretiva: A previsibilidade do desgaste permite que o gestor consiga aumentar a vida útil da peça com confiabilidade e melhorar o planejamento e os resultados dos indicadores da gestão da manutenção.

Aprenda como especificar o revestimento contra desgastes.