Corrosão Eletroquímica: Você sabe o que é?

Corrosão eletroquímica

Você conhece a corrosão eletroquímica? Entre todos os mecanismos de desgaste é forma de corrosão mais comum de encontrar no nosso dia a dia. É encontrada em todo o tipo de superfície exposta ao meio ambiente, como pontes, postes, janelas, rodas, chaminés, tubulações, entre diversas outras que poderíamos aqui citar.

E você sabe quais os principais problemas gerados pela corrosão eletroquímica? Claro, como em todo mecanismo de desgaste, podem ser vários, mas 3 deles são considerados os mais relevantes para a indústria:

 

1 - Perda de resistência: As superfícies com corrosão eletroquímica sofrem remoção acelerada de material e, em muitos casos, tem a sua resistência mecânica resuduzida

2 - Paradas de produção: Em muitos casos, a corrosão eletroquímica gera danos tão severos no equipamento que é necessário parar a produção para substituição. Exemplo: Tubulações com corrosão eletroquímica podem furar e gerar vazamentos.

3 - Custos de manutenção: A necessidade de substituição de peças danificadas aumenta significativamente o custo de manutenção e reduz o indicador OEE.

Leia também: Indicador OEE - Como melhorar o desempenho?

Antes de tentar solucionar o problema de corrosão eletroquímica de superfícies, é importante entender como ela ocorre. Tudo começa com a formação de uma pilha: um deterinado material pode formar regiões com diferentes potenciais elétricos. Estas, quando interligadas por um eletrólito (névoa salina e umidade do ar, por exemplo), dão origem ao processo de corrosão do material. A região anódica (menos nobre) trasfere elétrons para a região catódica (mais nobre).

Existem dois meios para realizar a proteção contra a corrosão eletroquímica:

1 - Proteção catódica, utilizando o revestimento de zinco aplicado por aspersão térmica como ânodo de sacrifício.

2 - Proteção por barreira, utilizando o revestimento de alumínio aplicado por aspersão térmica. Ele forma uma camada de óxido de alumínio que impede o contato do material com o eletrólito e consequentemente impede a formação da pilha.

Quer saber como escolher um revestimento contra desgastes? Baixe o boletim técnico em PDF.